Amapá, estado que menos desmata, ganha fundo para gestão de florestas

Amazônia Real - http://amazoniareal.com.br/ - 01/06/2015
A conservação e a gestão das 19 Unidades de Conservação no Estado do Amapá vão receber um aporte financeiro de R$ 5 milhões doados pela organização ambiental Conservação Internacional (CI-Brasil) e pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). O recurso para o Fundo Amapá, como está sendo denominado o investimento, vai gerar uma receita destinada para a consolidação e manutenção das áreas protegidas no corredor da biodiversidade do Estado. A contrapartida do governo do Amapá será de R$ 1 milhão. O lançamento do Fundo Amapá aconteceu nesta segunda-feira (01).

Com uma área protegida de 10,2 milhões de hectares distribuídas em 19 Unidades de Conservação e cinco Terras Indígenas homologadas, o Amapá tem 72% de seu território sob proteção formal. É considerado o Estado mais conservado e o que detém as menores taxas de desflorestamento da Amazônia. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), cerca de 98% de florestas primárias estão preservadas.

Entre as áreas protegidas do Amapá estão os Parques Nacionais do Cabo Orange e Montanhas do Tumucumaque, a Reserva Biológica do Lago Piratuba, as Estações Ecológica Maracá-Jipioca e do Jarí, a Floresta Nacional do Amapá, a Reserva Extrativista do Rio Cajari, e cinco Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN).

O Fundo Amapá será do tipo endowment, um recurso permanente com a função de gerar recursos contínuos para as Unidades de Conservação, por meio do rendimento de aplicações financeiras. Diferentemente da maioria das outras ações empreendidas em favor da conservação da floresta, o fundo aportará os rendimentos alinhado às diretrizes do Novo Plano Plurianual do Estado que será construído de forma participativa com a sociedade.

A estrutura do fundo, desenhado conjuntamente pelo Funbio, Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amapá com apoio da Fundação Gordon & Betty Moore, e a CI-Brasil, prevê a captação de novos e diversificados recursos, agilidade de execução e flexibilidade para a alocação nas áreas protegidas, de forma que seja adaptável à conjuntura e às reais necessidades das Unidades de Conservação do Estado do Amapá.

A aplicação dos recursos será submetida ao Conselho Deliberativo do Fundo, composto por membros da Sociedade Civil e Órgãos Públicos.

"A criação do fundo não apenas complementará os esforços de investimento financeiro realizados pelo estado do Amapá em conservação como também trará benefícios concretos para toda a população que hoje tem enorme potencial de se desenvolver economicamente através do uso sustentável dos recursos naturais", ressalta Rodrigo Medeiros, vice-presidente da CI-Brasil.

O superintendente de Programas do Funbio, Manoel Serrão, disse que o Fundo Amapá será um modelo para os demais estados da Amazônia pois, segundo ele, trará ganhos de eficiência, agilidade e transparência na gestão, sempre atuando em linha com as prioridades e demandas do Estado.

"O fundo será flexível o suficiente para atender às demandas dos financiadores e conciliá-las com os objetivos da política de conservação e desenvolvimento das comunidades do Estado do Amapá", disse Serrão.

Investimentos que garantem a conservação do capital natural, estabelecendo mecanismos para utilização econômica das Unidades de Conservação, como o fortalecimento do extrativismo, manejo florestal, capacitação técnica para qualificação de pessoal e o aprimoramento da gestão dos recursos hídricos e dos ativos ambientais, são exemplos de como poderão se aplicados os recursos do Fundo Amapá, que impactará na redução da pobreza, aumento de renda e estabelecimento de arranjos produtivos locais, entre outros benefícios para a população envolvida.

O governo, a CI-Brasil e seus parceiros acreditam que o Fundo Amapá atuará como importante fonte indutora para que essas unidades possam se transformar em fonte sustentável que gerará benefícios sociais e econômicos para todos.

"A sustentabilidade financeira das áreas protegidas têm sido um grande desafio e tornar essas áreas implementadas com geração de renda par as comunidades será um dos objetivos do fundo Governança, eficácia e transparência são alguns dos princípios que o Fundo Amapá prevê", afirma o secretário de Meio Ambiente do Amapá, Marcelo Creão.

Inicialmente, o Fundo do Amapá irá priorizar as Unidades de Conservação Estaduais beneficiando a sociedade economicamente, socialmente e ambientalmente.

A Conservação Internacional (CI) é uma organização privada, sem fins lucrativos, fundada em 1987 com o objetivo de promover o bem-estar humano fortalecendo a sociedade no cuidado responsável e sustentável para com a natureza.

Como uma organização não governamental global, a CI atua em mais de 30 países, distribuídos por quatro continentes. Em 1988, iniciou seus primeiros projetos no Brasil e, em 1990, se estabeleceu como uma organização nacional.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade, Funbio, é uma associação civil sem fins lucrativos, em operação desde 1996. É um mecanismo financeiro inovador, criado para desenvolver estratégias que contribuam para a implementação da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) no Brasil.



http://amazoniareal.com.br/amapa-estado-que-menos-desmata-ganha-fundo-para-gestao-de-florestas/
Florestas:Recursos Financeiros

Related Protected Areas:

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.