As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Globo Rural - http://globoruraltv.globo.com
17/08/2010
Queimadas pelo Brasil

O calor e a baixa umidade do ar estão favorecendo as queimadas. Desde o início do mês, a quantidade de focos registrada já dobrou em relação ao mesmo período do ano passado. No Tocantins, várias áreas de preservação foram destruídas.

O Parque Estadual do Lajeado ainda tem, pelo menos, dois focos de incêndio. Especialistas acreditam que a queimada foi criminosa. A polícia investiga o caso. O fogo destruiu mais de 60% do parque. Equipes de brigadistas, bombeiros e Exército tentam conter os focos.

A área que mais preocupa os órgãos ambientais é a Ilha do Bananal. Na região são registrados 1,7 mil focos de incêndio. Em todo o Tocantins são 4,2 mil focos. A Ilha do Bananal reúne o Parque Nacional do Araguaia, o Parque Estadual do Cantão e as reservas indígenas. Em todo o Estado, mais de 65 mil hectares foram destruídos pelo fogo.

Em Goiás, depois de três dias de trabalho, os bombeiros controlaram um incêndio no Parque Nacional das Emas. O fogo deixou rastro de destruição. Ainda não há um levantamento de quantos animais morreram. Os que conseguiram escapar procuram abrigo. Muitos ainda estão perdidos em meio às cinzas. Bombeiros e brigadistas continuam no local. O grupo faz o trabalho de rescaldo. Eles entram na mata fechada a procura de pequenos focos de incêndio.

Dos 132 mil hectares o fogo consumiu quase cem mil em 70 horas. Os bombeiros conseguiram salvar uma área de preservação que deve servir de refugio à fauna. Segundo o diretor do parque Marcos Cunha o fogo começou por causa de um curto circuito em uma fazenda vizinha.

"Foram dois focos de início na divisa do parque nos extremos norte e sul. Devido à ventania, em torno de 70 quilômetros por hora, atingiu e ultrapassou nossos aceiros. É um dos maiores incêndios. A gente vai dimensionar, vai estudar bem a origem, as causas e as consequências para que no futuro a gente possa evitar isso de novo", disse Cunha.

http://globoruraltv.globo.com/GRural/0,27062,LTO0-4370-342038,00.html