As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

O Globo, Pais, p. 6
06/01/2016
Queimadas destruiram 34% mais que a media em 2015

Queimadas destruíram 34% mais que a média em 2015

Pelo menos 1,18 milhão de hectares de áreas de conservação foram consumidas pelo fogo
O número de queimadas no Brasil no último ano foi 34% maior que a média histórica registrada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), desde 1998. Foram detectados 236,3 mil focos, índice 28,6% maior que o registrado em 2014 (183,6 mil) e o pior desde 2010, quando foram detectados 249,2 mil focos. A média histórica é de 175,8 mil.
Responsável pelo monitoramento, o pesquisador do Inpe Alberto Setzer atribui o crescimento a um conjunto de elementos, como fator climático ("foi um ano com menos chuva e mais quente, principalmente no Brasil Central, no Sul da Amazônia e em parte do Nordeste") e redução nas campanhas de conscientização e fiscalização por motivos orçamentários. Ele cita também o aumento das exportações e a limpeza da terra para projetos agropecuários. Segundo ele, "a maioria absoluta das queimadas tem origem humana"
Pelo menos 1,18 milhão de hectares de áreas de conservação federal foram queimados em 2015, o maior índice desde 2010 e 20% maior que o registrado em 2014 (990 mil hectares). Os pontos mais atingidas estão no Jalapão e Araguaia (TO), Chapada dos Guimarães (MT), Serra da Canastra (MG) e Chapada Diamantina (BA).

O Globo, 06/01/2015, País, p. 6

http://oglobo.globo.com/brasil/queimadas-crescem-34-em-2015-na-comparaca...