As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Zero Hora - http://zerohora.clicrbs.com.br/
24/10/2013
Mutirao tenta reduzir morte de animais no Taim

Ao mesmo tempo em que se debate a ampliação da Estação Ecológica do Taim, a preocupação de moradores e administradores da reserva é a mesma de quase uma década: as mortes de animais por atropelamento. Sem telas na rodovia Rio Grande-Santa Vitória do Palmar (BR-471), às margens do local, o número de acidentes cresceu. Na quarta-feira, um grupo foi ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) cobrar solução.

A reunião foi pedida pela Associação dos Pecuaristas, Orizicultores, Comerciantes e Moradores do Curral Alto e Taim de Santa Vitória do Palmar (Amcata) e teve intermediação da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia, coordenada pelos deputados do PSDB Adílson Troca e Pedro Pereira. O encontro na sede do órgão, à tarde, apontou para três saídas.

A primeira é a celeridade na recolocação das proteções. Em 2002, o telamento existente foi derrubado por uma enchente. A empresa Gerdau, então, doou 10 quilômetros de telas, mas o material ficou uma década encostado na sede administrativa da Estação, sem ser utilizado. Com o tempo, a vegetação cresceu e atrapalhou ainda mais a instalação. Resultado: orçada em R$ 1,45 milhão, a obra só começou, de fato, em 2011 - e não foi completada.

Sem a proteção, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), administrador da reserva, chegou a contabilizar 738 mortes de animais em apenas um ano.

Como segunda medida, a Amcata sugeriu que o Dnit instale radares inteligentes na entrada e na saída da estação. Assim, quando um carro cruzasse os aparelhos, teria a placa capturada e, caso levasse menos tempo do que o necessário para cruzar os 17 quilômetros dentro da velocidade indicada, seria multado.

Já o terceiro pedido é que a Polícia Rodoviária Federal atue 24 horas por dia na região, punindo os motoristas que descumprirem os limites de velocidade. A necessidade de ampliação no horário de fiscalização é em decorrência do aumento do trânsito.

- Nossa preocupação é com os animais e também com as pessoas. Cada capivara morta na estrada significa que alguém se acidentou - comenta o presidente da Amcata, Raul Cesar Cavedon.

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/10/mutirao-tenta-re...