As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Agencia Para de Noticias - http://www.agenciapara.com.br/
13/04/2016
Membros do Combu e Metropole da Amazonia recebem propostas de implantacao e manejo

Cerca de 30 produtores da Área de Proteção Ambiental (APA) da Ilha do Combu e do Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Metrópole da Amazônia participaram nesta quarta-feira (13) de uma reunião, no auditório da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), para ouvir propostas de implantação e manejo nas Unidades de Referências Tecnológicas de suas comunidades locais.

A reunião foi organizada pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), em parceria com a Embrapa Amazônia Oriental, que também contou com a presença de membros da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA), Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacueira (Ceplac), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), além de membros dos Conselhos Gestores e da Associação de Moradores do Combu e Metrópole da Amazônia.

Durante o encontro foi realizada uma oficina sobre Sistemas Agroflorestais (SAFs) Agroecológicos, ministrada pelo pesquisador Osvaldo Ryohei Kato, da Embrapa, que atua no desenvolvimento de pesquisas e tecnologias relacionadas a Sistemas Agroflorestais, onde agricultura e floresta se encontram aliando a produção de alimentos à conservação dos recursos naturais, dada a importância da referência em tecnologia de produção agroflorestal das propriedades dos agricultores.

"Os benefícios econômicos, ambientais e sociais dos SAFs são inúmeros", afirma o pesquisador Osvaldo Kato, que citou exemplos como a diversificação da produção agrícola e florestal na propriedade, recomposição da paisagem, reflorestamento, recuperação de áreas degradadas, aumento da capacidade produtiva do solo, segurança alimentar e aumento de renda para o produtor, conservação ambiental, biodiversidade da flora e fauna, redução do desmatamento, das queimadas e dos impactos nas mudanças climáticas globais.

Segundo Júlio Meyer, Gerente das Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém, do Ideflor, esta primeira etapa do projeto é de sensibilização. "Primeiro estamos mostrando nossas idéias para depois fazermos visitas de campo. Posteriormente montaremos um calendário de atividades a partir da demanda das comunidades envolvidas no projeto, de acordo com a realidade local. O sucesso deste trabalho depende do grau de envolvimento e comprometimento das comunidades junto ao Ideflor-bio e as instituições parceiras.", explicou.

Durante o período de um ano, a equipe técnica do Ideflor-bio e seus parceiros institucionais acompanharão as unidades promovendo espaços de teoria e prática referentes ao manejo adequado das espécies de interesse na região, construindo a diversificação da produção e geração de renda distribuída ao longo do ano, junto à conservação da biodiversidade das Unidades de Conservação (UC).

No final do mês de abril, uma equipe de 20 pessoas das comunidades de Ponta Negra, Santo Antônio, Abacatal, São Benedito, Piriquitaquara e Combu farão visitas de campo em propriedades familiares que já realizaram a implantação de Sistemas Agroflorestais, em Tomé-Açu, para conhecimento do trabalho, dando continuidade assim ao projeto, junto às Unidades de Conservação envolvidas.

SAFs - Os Sistemas Agroflorestais são a imitação da cobertura vegetal da floresta, sendo o aspecto da diversificação a essência e seu fundamento. Essa perspectiva favorece a recuperação da produtividade de solos degradados através de espécies arbóreas implantadas, que adubam naturalmente o solo, reduzindo a utilização de insumos externos, os custos de produção e aumentando a eficiência econômica da unidade produtiva. Além disso, a maior diversificação representa mais produtos comercializáveis, favorecendo uma geração de renda mais harmônica no tempo. Esse contexto é muito adequado para a pequena produção familiar.

http://www.agenciapara.com.br/noticia.asp?id_ver=124453