As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

O Globo, O Pais, p. 12
21/10/2011
Iniciativa privada vai gerir areas ambientais

Iniciativa privada vai gerir áreas ambientais
No Rio, parques nacionais da Tijuca, de Itatiaia e Serra dos Órgãos servirão de pilotos; Jericoacoara também entrará

BRASÍLIA. O governo resolveu que abrirá a gestão de parques nacionais e áreas de preservação ambiental para a iniciativa privada. Os ministérios do Meio Ambiente e do Planejamento assinaram ontem um acordo que permite a entrada de Parcerias Público-Privadas (PPPs) nas 310 unidades de conservação federais. A ideia é melhorar os serviços prestados aos visitantes com trilhas bem conservadas, banheiros, lojas de presentes e estacionamentos.
Com a proximidade de eventos de grande porte como a Rio+20, em 2012, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas, em 2016, o governo quer preparar melhor seus parques para atrair turistas estrangeiros e brasileiros. Dez parques foram escolhidos para serem pilotos: Tijuca (RJ), Serra dos Órgãos (RJ), Itatiaia (RJ), Jericoacoara (CE), Ubajara (CE), Sete Cidades (PI), Serra das Confusões (PI), Fernando de Noronha (PE), Chapada dos Guimarães (MT) e Lençóis Maranhenses (MA).
Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o governo não está privatizando os parques e sim modernizando a gestão dessas áreas, que penam com a falta de funcionários e de recursos. Ela espera que até o meio do ano que vem as primeiras PPPs já comecem a funcionar. Além da gestão das Unidades de Conservação, o governo discute com outros ministérios formas de melhorar a infraestrutura de acesso e hospedagem nesses locais.
- Não se trata de privatização, e sim de implementação de serviços e busca de instrumentos de gestão inovadores. Temos que avançar nas estratégias de conservação da biodiversidade, modernizar os modelos de gestão - disse.
Os estudos para a estruturação dos projetos serão financiados com recursos doados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O Globo, 21/10/2011, O País, p. 12