As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
27/10/2013
Estacao do Taim deve ser ampliada ate o final de 2014 no RS, diz ICMBio

A ampliação da Estação Ecológica do Taim, localizada na Região Sul do Rio Grande do Sul, deve ser oficializada ainda em 2014, de acordo com expectativa do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), como mostra o programa Campo e Lavoura, da RBS TV (confira no vídeo). O projeto apresentado pelo chefe da reserva, Henrique Ilha, foi apesentado em audiências públicas em Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, e serão encaminhados ao governo federal.

"Nossa expectativa é de que esse processo deva ser concluído ao final do ano que vem", diz o coordenador das Unidades de Conservação do ICMBio, Marcelo Cavallini. "Pelo fato de prestar à sociedade uma série de serviços ambientais, elas merecem toda a atenção com relação a conservação dos recursos naturais", afirmou.

A Estação Ecológica foi criada em 1978, projetada para ter 33 mil hectares. No entanto, apenas um terço foi garantido por lei. Após muitos anos de debate, o aumento da área está na fase final e com poucos problemas durante a desapropriação.

O governo federal comprou 8 mil hectares, sendo 2 mil utilizados para a pecuária. Segundo proposta apresentada por Ilha, dos atuais 11 mil hectares a área se aproximaria dos 33 mil inicialmente previstos.

O projeto final será encaminhado aos ministérios do Meio Ambiente e da Casa Civil, para depois serem sancionados pela presidente Dilma. "É um resgate histórico", disse Ilha.

"Havia uma dívida de deixar tudo muito claro, o que era de importância ambiental e o que era produção, ajustar isso com os produtores, pacificar a região e proteger o banhado, porque grande parte do banhado estava fora da propriedade", salientou.

Em abril deste ano, um incêndio que durou cerca de 200 horas consumiu 5,6 mil hectares de vegetação da principal reserva ecológica do estado. Em seis dos nove dias que durou o incêndio, as chamas queimaram áreas situadas fora da atual estrutura, e ainda assim foram combatidas.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/campo-e-lavoura/noticia/2013/10...