As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Epoca, (revistaepoca.globo.com)
26/01/2007
6 perguntas para Silval Barbosa

O vice-governador de Mato Grosso, Silval da Cunha Barbosa (PMDB), vem enfrentando forte oposição dos movimentos ambientalistas. Ele defende a redução do Parque Estadual do Cristalino, no norte do Estado. O vice-governador e um grupo de deputados estaduais querem acabar com 27.000 hectares de área preservada. A região, conhecida pela enorme biodiversidade, concentra cerca de 6 mil espécies, muitas ainda desconhecidas da ciência. Barbosa explica suas razões

Por que o senhor e um grupo de deputados acham necessário reduzir o Parque Estadual do Cristalino?
É uma correção. Antes da criação do parque já havia quatro proprietários na área, que era conhecida como Gleba Divisa. O que fizemos foi corrigir o parque para sua formação original de 150.000 hectares. Na realidade, estamos protegendo a região da invasão dos sem-terra.

Uma foto de satélite mostra que essa área que os senhores querem reduzir estava intacta até 2001. Depois apareceu devastada em novas imagens.
A foto pode ter sido maquiada para atender a interesses.

Imagem de satélite maquiada? Interesses de quem?
De ambientalistas que querem fazer barulho à toa.

É verdade que o irmão do senhor tem negócios no local e será beneficiado com a redução do parque?
Mentira. Meu irmão só tem uma pousada lá, que fica justamente dentro da área que continua sendo o Parque Estadual do Cristalino.

Mas como ele pode ter uma pousada dentro de um parque estadual?
É só para turismo, uma pousadinha pequena.

O Ministério do Meio Ambiente avisou que vai cortar recursos para a região se a redução do parque for mesmo executada. Seriam R$ 800 mil a menos para seu Estado.
Esse recurso não fará diferença nenhuma. Continuaremos protegendo a área da nossa maneira.