Tamar faz expedição ao Parque Nacional de Abrolhos

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/ - 22/11/2016
E caracteriza o arquipélago como área de alimentação da tartaruga-de-pente. Ideia é realizar ações para captura, marcação e recaptura de tartarugas a cada três meses no local


Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Tartarugas Marinhas (Tamar), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e da Fundação Pró-Tamar visitaram o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, unidade de conservação (UC) administrada pelo ICMBio no litoral sul da Bahia.

A visita teve como objetivos dar andamento ao Plano de Ação Nacional (PAN) para Conservação das Tartarugas Marinhas e caracterizar o arquipélago como área de alimentação da tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata). A expedição partiu de Caravelas (BA) na lancha do ICMBio e contou com a presença do chefe da UC, Fernando Repinaldo, além de monitores e pesquisadores locais e da equipe do Tamar.

Os esforços de captura foram realizados principalmente entre as ilhas Santa Bárbara e Siriba, devido às condições do mar, sempre em áreas rasas, variando de 0,5 a 5 metros de profundidade. Várias atividades foram realizadas durante os três dias de visita, como mergulhos para capturas, capacitação e palestras sobre procedimentos e metodologias e gravação do programa da TV Globo 'Como Será?'.

Uma tartaruga-de-pente que já era conhecida da equipe local e tinha até nome - Bebete - foi recapturada e teve dados coletados. Na gravação do programa 'Como Será?' foram recapturadas duas tartarugas-de-pente e se falou sobre Abrolhos, tartarugas marinhas e conservação.

Capacitações e palestras

Durantes as capacitações, um dos temas abordados foi a metodologia de estudos de indicadores demográficos através de captura, marcação e recaptura de animais na água, a longo prazo. Além disso, o biólogo Armando Barsante, do Tamar, tratou dos métodos de captura, regras básicas de segurança, protocolos de coleta de dados, equipamentos necessários e possibilidades de investigação.

Também foi realizada pela analista ambiental do Centro Tamar/ICMBio, Cecília Baptistotte, uma apresentação sobre fibropapilomatose, uma atualização sobre o estado da arte nas pesquisas científicas sobre a doença, com enfoque nos cuidados sanitários necessários no manuseio dos animais, além de informações básicas sobre reabilitação, resgate e transporte.

Mergulhos e capturas

Um mergulho noturno resultou na captura de uma tarraruga-de-pente marcada e de quatro tartarugas-verdes (Chelonia mydas), sendo três recapturas e uma marcada pela primeira vez, que apresentava tumores. No último dia de visita, em um mergulho, foram capturadas quatro tartarugas-de-pente, sendo três recapturas e uma marcada pela primeira vez.

Para atingir os objetivos do PAN, foi discutida a necessidade de um esforço contínuo e a direção do Parque Nacional Marinhos dos Abrolhos declarou que pretende realizar uma expedição para captura, marcação e recaptura a cada três meses.

As tartarugas-de-pente até o momento identificadas em Abrolhos são principalmente animais jovens, entre 40 cm e 50 cm de comprimento de casco, o que leva a crer que o arquipélago é uma importante área de alimentação e descanso para esta espécie.

Elas são vistas comumente em águas rasas e são carnívoras, alimentando-se de uma grande variedade de presas, mas principalmente anêmonas e esponjas. As análises genéticas conduzidas pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) têm indicado que as tartarugas-de-pente encontradas em Abrolhos nascem principalmente na Bahia e no Rio Grande do Norte, que são as principais áreas de desova desta espécie no Brasil. Entretanto, há também contribuições em menor escala da África e do Caribe.

Sobre o Projeto Tamar

Iniciado nos anos 80, o Projeto Tamar é uma soma de esforços entre Centro Tamar/ICMBio e a a Fundação Pró-Tamar. Trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção: tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea).

O Tamar protege aproximadamente 1.100 km de praias e está presente em 25 localidades, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso das tartarugas marinhas, no litoral e ilhas oceânicas dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.



http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/8561-tamar-caracteriza-abrolhos-como-area-de-alimentacao-da-tartaruga-de-pente
Biodiversidade:Fauna

Related Protected Areas:

  • UC Marinho dos Abrolhos
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.