Área de Proteção Ambiental Margem Esquerda do Rio Negro

Área 611.008,00ha.
Jurisdição Legal Amazônia Legal
Ano de criação 1995
Grupo Uso Sustentável
Instância responsável Estadual
Documento Lei - 4015 - 24/03/2014
Corredor Central da Amazônia
Mosaicos Baixo Rio Negro

Mapa

Municípios

Município(s) no(s) qual(is) incide a Unidade de Conservação e algumas de suas características

Municípios - APA Margem Esquerda do Rio Negro

# UF Municipality População (IBGE 2018) População não urbana (IBGE 2010) População urbana (IBGE 2010) Área do Município (ha) (IBGE 2017) Área da UC no município (ha) Área da UC no município (%)
1 AM Manaus 2.145.444 9.190 1.792.824 1.140.109,20 457.749,91
74,92 %
2 AM Novo Airão 18.974 5.224 9.499 3.780.525,70 146.702,06
24,01 %
3 AM Presidente Figueiredo 35.352 14.174 13.001 2.541.226,50 10.516,62
1,72 %

Ambiente

Fitofisionomia

Fitofisionomia (cursos d'água excluídos) % na UC
Contato Campinarana-Floresta Ombrófila 18,46
Floresta Ombrófila Densa 81,54

Bacias Hidrográficas

Bacia Hidrográfica % na UC
Negro 100,00

Biomas

Bioma % na UC
Amazônia 100,00

Gestão

  • Órgão Gestor: (SEMA-AM) Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas
  • Tipo de Conselho:
  • Year of creation:

Documentos Jurídicos

Documentos Jurídicos - APA Margem Esquerda do Rio Negro

Tipo de documento Número Ação do documento Data do documento Data de Publicação Observação Download
Lei 4015 Alteração de limites 24/03/2014 24/03/2014 Altera os limites do PES Rio Negro Setor Sul e da APA Margem esquerda do Rio Negro (Setor Aturiá-Apuauzinho) e cria a RDS Puranga Conquista. A APA, que antes tinha 643.215 hectares (área ISA: 623.333 hectares) passa a ter 611.008 hectares.  
Decreto 16.498 Criação 02/04/1995 06/04/1995 Cria a APA da Margem Esquerda do Rio Negro, com 740.757 hectares. Destina-se a proteger e conservar a qualidade ambiental e os sistemas naturais ali existentes, visando a melhoria da qualidade de vida da população local e também objetivando a proteção dos ecossistemas regionais.  
Lei 2646 Alteração de limites 22/05/2001 22/05/2001 ALTERA os limites do Parque Estadual do Rio Negro, Setores Norte e Sul, e das Áreas de Proteção Ambiental, das Margens Esquerda e Direita do Rio Negro, criados pelos Decretos n.o 16.497 e n.o 16.498, de 2 de abril de 1995, e dá outras providências. A Área de Proteção Ambiental da Margem Esquerda do Rio Negro, Setor Aturiá - Apuauzinho, criada pelo Decreto n.o 16.498, de 2 de Abril de 1995, passa a ter área de 586.422 hectares. A Área de Proteção Ambiental da Margem Esquerda do Rio Negro, Setor Tarumã - Açu - Tarumã - Mirim, criada pelo Decreto n.o 16.498, de 2 de abril de 1995, passa a ter 56.793 hectares. Assim, a APA passa a ter um total de 643.215 hectares.  

Documentos de gestão - APA Margem Esquerda do Rio Negro

Tipo de plano Ano de aprovação Fase Observação

Sobreposições

Não existem sobreposições desta Unidade de Conservação com outras Áreas Protegidas.

Principais Ameaças

Desmatamento na Amazônia Legal

Este tema apresenta a análise dos dados de desmatamento produzidos pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), que mapeia somente áreas florestadas da Amazônia Legal. Os dados do Prodes não incluem as áreas de cerrado que ocorrem em muitas Unidades de Conservação no bioma Amazônia.

Focos de calor

Área de abrangência do ponto: um foco indica a possibilidade de fogo em um elemento de resolução da imagem (pixel), que varia de 1 km x 1 km até 5 km x 4 km. Neste pixel pode haver uma ou várias queimadas distintas, mas a indicação será de um único foco. Se uma queimada for muito extensa, será detectada em alguns pixeis vizinhos, ou seja, vários focos estarão associados a uma única grande queimada.

Total identificado de desmatamento acumulado até 2000: 16204 hectares
Total identificado de desmatamento acumulado até 2017: 24110 hectares

Características

SETOR ATURIÁ-APUAZINHO
ATRIBUTOS NATURAIS : Localiza-se no interflúvio Uatumã-Trombetas. Em sua cobertura vegetal encontram-se Chavascais, extensas Florestas Tropicais e mostras de Florestas de Campinaranas e Sub-montanas da região de Presidente Figueiredo. Faz parte do Mosaico de UCs do baixo Rio Negro, que tem ao todo 1,8 milhões de ha e integra o Corredor Central da Amazônia. Drenada pelo rio Cuieiras, a 70 km de Manaus.

BIODIVERSIDADE : a área representa uma zona de amortecimento para UCs de proteção integral, e é habitat de espécies importantes como o Galo da Serra (Rupicola rupicola), o Sauim de Coleira (Saguinus bicolor bicolor) e o Gavião real (Harpia harpyja).

INFRA-ESTRUTURA : As comunidades que habitam a área estão localizadas às bordas do Parque Estadual do Rio Negro e nos assentamentos de Presidente Figueiredo, às margens da BR-174. Atuam na área: o FNMA e o projeto Corredores Ecológicos/PPG7. Nessa área há sobreposição com uma área do Incra destinada ao assentamento do PDS Cuieiras-Apuaú. O principal acesso à área é fluvial, saindo de Manaus.

SÓCIO-ECONOMIA : Mais de 100 famílias habitam a região. As pincipais atividades são a caça e a agricultura. A pesca se resume à subsistência e a exploração de recursos não-madeireiros não é muito expressiva, sendo voltada para a subsistência e restrito à extração de fibras para o artesanato e de palhas para as casas. A extração madeireira é intensa e a de sementes vem se tornando cada vez mais comum por causa do artesanato. Grande potencial para turismo ecológico, com rios encachoeirados e praias.
(fonte: Unidades de Conservação do Estado do Amazonas. Manaus:SDS/SEAPE, 2007)

SETOR TARUMÃ AÇU-TARUMÃ MIRIM
ATRIBUTOS NATURAIS : Coberta por Floresta Tropical Densa, mas contém formações de Floresta Tropical Aberta e Campinaranas. É drenada pelas bacias dos rios Tarumã Açu e Tarumã Mirim. Relevo dissecado em cristas, havendo também áreas tabulares com palmeiras. Há antropismo e exploração pecuária.

BIODIVERSIDADE : As áreas de platô apresentam paisagem homogênea e elevada diversidade de espécies. Foram identificadas mais de 5000 espécies de plantas. As mais comuns são o matamatá amarelo (Esweilera sp.), o breu-vermelho (Protium appiculatum) e a abiurana (Franchetella gongripii e Pouteria sp.).

INFRA-ESTRUTURA : Desde 1992 foi implantado na área o Projeto de Assentamento Tarumã-Mirim, gerido pelo Incra. O projeto conta com 13 associações comunitárias e 4 clubes de mães, e abriga 1042 famílias. O acesso pode ser rodoviário, através da BR-174 ou fluvial.

SÓCIO-ECONOMIA : Potencial madeireiro expressivo. Dentre as atividades com potencial, estão o artesanato, produtos não-madeireiros e ervas medicinais para a indústria de fármacos. Os principais produtos agrícolas são: farinha de mandioca, macaxeira, banana, abacaxi, cana de açúcar e maracujá. Atualmente encontram-se em fase de desenvolvimento as culturas de côco e arroz. Destaca-se a piscicultura, especialmente a criação de tambaqui (Colossoma macropomum) e matrinchã (Brycon spp.). O extrativismo gira em função do artesanato com cipó, uso medicinal de espécies como a copaíba (Copaífera sp.) e a andiroba (Carapa guianensis) e coleta de frutos como o açaí (Euterpe oleracea mart), o buriti (Mauritia flexuosa), o patoá (Oenocarpus bataua) e a bacaba (Oenocarpus bacaba) para alimentação.
(fonte: Unidades de Conservação do Estado do Amazonas. Manaus:SDS/SEAPE, 2007)

Contato

IPAAM - Departamento de Gestão Territorial
Christina Fischer - Tel: (92) 3643-2305

Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
Secretaria Executiva Adjunta de Projetos Especiais
Rita Mesquita (Secretária Adjunta) ou Maria do Carmo (Coordenadora do PGAI-AM)
Rua Recife, nº 3280, Parque 10 Manaus
Tel: (92) 3642-8807 / (92) 3642-4607
Site: www.sds.am.gov.br

Centro Estadual de Unidades de Conservação - CEUC (AM)
Av. Mário Ipiranga Monteiro, n° 3280 - Parque 10
CEP: 69050-030 - AM
Email: ceuc@ceuc.sds.am.gov.br
Tel: (92) 3642-4607
Site: http://www.ceuc.sds.am.gov.br

Notícias

Total de 34 notícias sobre a área protegida APA Margem Esquerda do Rio Negro no banco de dados RSS

Ver todas as notícias dessa área protegida

 

As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.